10 normas que todo pregoeiro deve conhecer

Publicado em: 06/10/2017

O pregoeiro é um gestor do certame licitatório e também um negociador, que tem como princípios fundamentais a atuação pautada em legalidade, a isonomia, a economicidade, o bom senso, a celeridade e a prudência. É a figura que operacionaliza o pregão, mas, embora seja crucial no ambiente de licitações, é pouco reconhecida na sociedade.

No cenário atual, muito se fala em transparência, segurança, economicidade e celeridade nas compras públicas, principalmente nas realizadas na modalidade pregão. O pregão eletrônico, realizado via internet, se tornou bastante popular nos últimos anos, já que permite a participação de interessados de todo o país.

Normas que o pregoeiro deve conhecerO pregoeiro é o responsável pela condução da fase externa do pregão, que vai do momento da publicação do edital até a adjudicação do objeto ao licitante vencedor. Assim, deve respeitar as normas jurídicas e buscar a proposta mais vantajosa e promover o desenvolvimento nacional sustentável.

Ao estudar os Acórdãos e Decisões do Tribunal de Contas da União – TCU verifica-se que grande parte dos insucessos das licitações se dá por equívocos causados pela falta de planejamento, suporte técnico, capacitação e atualização dos profissionais. Por isso, você deve ficar atento a lista que produzimos com as 10 normas mais importantes para o pregoeiro que se deve conhecer.

 

1 – Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002

Institui, no âmbito da União, estados, Distrito Federal e municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências.

A norma descreve a fase preparatória, a fase externa, as vedações, prazos, entre outros aspectos determinantes para a realização de um pregão. Vale destacar que a grande inovação do pregão se dá pela inversão das fases de habilitação e análise das propostas. Dessa forma, apenas a documentação do participante que tenha apresentado a melhor proposta é analisada.

Bens e serviços comuns são aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado. Trata-se, portanto, de bens e serviços geralmente oferecidos por diversos fornecedores e facilmente comparáveis entre si, de modo a permitir a decisão de compra com base no menor preço.

 

2 – Decreto nº 3.555, de 08 de agosto de 2000

Aprova o regulamento para a modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns.

O texto possui o Anexo I, que estabelece normas e procedimentos para a realização de licitação por meio de pregão. O Decreto destaca que o pregão é a modalidade de licitação em que a disputa pelo fornecimento de bens ou serviços comuns é feita em sessão pública, por meio de propostas de preços escritas e lances verbais. Ainda, destaca os princípios da modalidade, as atribuições das autoridades comDicas para o pregoeiropetentes, da equipe de apoio e dos credenciados.

O pregão vem se somar às demais modalidades previstas na Lei n.º 8.666/1993, que são a concorrência, a tomada de preços, o convite, o concurso e o leilão. Diversamente destas modalidades, o pregão pode ser aplicado a qualquer valor estimado de contratação, de forma que constitui alternativa a todas as modalidades. Outra peculiaridade é que o pregão admite como critério de julgamento da proposta somente o menor preço.

É competência privativa da União legislar sobre normas gerais de licitação. Todavia, a competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos estados e do Distrito Federal.

 

3 – Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005

Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências.

O normativo complementar a Lei nº 10.520/2002, e explica como funcionará o pregão eletrônico, destacando, inclusive, que é uma modalidade de licitação do tipo menor preço, que será realizada quando a disputa pelo fornecimento de bens ou serviços comuns for feita à distância em sessão pública, por meio de sistema que promova a comunicação pela internet.

O pregão eletrônico apresenta as regras básicas do pregão presencial, com procedimentos específicos, caracterizando-se especialmente pela ausência da “presença física” do pregoeiro e dos demais licitantes, uma vez que toda interação é feita por meio de sistema eletrônico de comunicação pela internet, possuindo como importante atributo a potencialização de agilidade aos processos licitatórios, minimizando custos para a Administração Pública, estando cada vez mais consolidado como principal forma de contratação do Governo Federal.

 

4 – Decreto Federal nº 5504, de 05 de agosto de 2005

Estabelece a exigência de utilização do pregão, preferencialmente na forma eletrônica, para entes públicos ou privados, nas contratações de bens e serviços comuns, realizadas em decorrência de transferências voluntárias de recursos públicos da União, decorrentes de convênios ou instrumentos congêneres, ou consórcios públicos.

O pregão eletrônico caiu tanto no gosto do gestor que foi editado um decreto que obriga a sua utilização na contratação de bens e serviços comuns quando decorrer de transferências voluntárias ou de convênios. O objetivo é tornar mais eficaz e ágil o processo de aquisição.

O pregão eletrônico, no ano de 2008, respondeu por R$ 12,2 bilhões – 73,7% – do valor de bens e serviços comuns licitados e por 33.972 processos de compra – 79,4% – dos procedimentos. Já no exercício de 2010, as aquisições pela modalidade fecharam na cifra de R$ 26,2 bilhões, ou 46%, do total de compras governamentais, representando uma economia de R$ 7,1 bilhões ao Executivo federal. Entre os anos de 2008 e 2016, a economia gerada para os cofres públicos foi de R$ 19,6 bilhões, como resultado da diferença entre o valor de referência dos produtos que vão a licitação e o que é efetivamente pago pelo governo.

 

5 – Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 – Lei de Licitações e Contratos

Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências.

O texto da Lei de Licitações é abrangente e trata das diversas modalidades de uma licitação, mas não cita o pregão. É o pontapé inicial de quem deseja atuar com compras públicas. A norma, por ser a base dos certames brasileiros, deve ser de conhecimento dos pregoeiros.

A Lei nº 8.666/1993 prevê cinco modalidades de licitação, no art. 22: concorrência, tomada de preços, convite, concurso e leilão, definindo cada uma das modalidades nos seus parágrafos. No § 8º veda a criação de outras modalidades de licitação ou da combinação delas. Pela Medida Provisória nº 2.026/2000, no entanto, foi criado o pregão como nova modalidade, a ser utilizada exclusivamente pela União. Em 2002, essa MP foi convertida na Lei nº 10.520, que ampliou o uso do pregão aos outros entes federativos.

O concurso ficou restrito a projetos bem específicos, no geral que envolvam criatividade, como Martelo Pregoeiro Pregão Digitalprojetos arquitetônicos. Já o convite, infelizmente, ficou manchado pela mácula de favorecer à fraudes, já que fica a critério do gestor convocar quem ele bem entender para o certame. Logo, essa brecha abre possibilidade para que apenas os “amigos do prefeito” sejam contemplados nas licitações. Apesar disso, um pregoeiro sério e comprometido deve conseguir organizar e justificar adequadamente a realização de qualquer modalidade de licitação.

 

6 – Decreto nº 7.892, de 23 de janeiro de 2013

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços – SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/1993. Em seu art. 7, a norma determina que “a licitação para registro de preços será realizada na modalidade de concorrência, do tipo menor preço, ou na modalidade de pregão, e será precedida de ampla pesquisa de mercado”.

Desse modo, significa que, ao invés da Administração escolher um licitante para com ele formalizar uma relação contratual, ela escolhe um preço vantajoso e o registra em um documento denominado Ata de Registro de Preços. Essa ata tem, normalmente, vigência por um ano. Nesse período de tempo, a Administração solicita fornecimentos parcelados. Ela não é obrigada a solicitar toda a quantidade registrada, durante a vigência da ata. Em regra, cada ente da federação tem norma própria sobre o assunto.

Há ainda a figura do “carona”, que é a possibilidade de outro órgão público aderir à ata, mesmo sem ter participado da licitação. Essa inovação não está presente no Decreto e foi alvo de muita polêmica. Ainda hoje, há quem discorte do posicionamento do TCU, que tem buscado pacificar o tema para orientar o gestor público.

 

7 – Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997

Dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos institucionais.

Como curiosidade, vale destacar que o pregão surgiu no sistema brasileiro no ano de 1997, na chamada Lei Geral de Telecomunicações, pois esse foi o primeiro diploma legislativo a trazer a autorização para a Administração Pública fazer licitação por pregão para a aquisição de bens e serviços.

Em seu art. 56, o texto definiu pregão como: “modalidade de licitação para a aquisição de bens e serviços comuns, em que a disputa pelo fornecimento é feita por meio de lances em sessão pública”. Por isso, é interessante que o gestor público, em especial o pregoeiro, conheça o normativo para entender melhor como funciona o pregão.

 

8 – Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006

Institui o Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, que deve ser amplamente conhecido pelo pregoeiro, pois as empresas dessa categoria possuem tratamento diferenciado e favorecido nos processos licitatórios.

Conforme o art. 45 da LC 123, “no caso de pregão, a microempresa ou empresa de pequeno porte mais bem classificada será convocada para apresentar nova proposta no prazo máximo de cinco minutos após o encerramento dos lances, sob pena de preclusão”.

Segundo o texto da Lei, nos processos licitatórios será assegurada, como critério de desempate, preferência de contratação para as microempresas e empresas de pequeno porte. A Lei ainda estabelecAta de Registro de Preços - SRPe que serão consideradas empatadas as propostas apresentadas pelas microempresas e empresas de pequeno porte que sejam iguais ou até 10% superiores à proposta mais bem classificada – empate ficto, desde que esta última não seja também pequena empresa, já na modalidade pregão o intervalo percentual é de 5%. Ocorrendo o chamado empate ficto, a microempresa ou empresa de pequeno porte poderá apresentar proposta de preço inferior àquela considerada vencedora do certame.

O pregoeiro deve conhecer perfeitamente a LC nº 123/2006, já que a maioria das licitações atuais tem participação de micro e pequenas empresas. Logo, a operação deste dispositivo legal é indispensável.

 

9 – Lei Estadual nº 9.579, de 12 de abril de 2012, Código de Licitações e Contratos do Maranhão

O Código de Licitações e Contratos do Maranhão foi instituído em 2012. O estado era uma das poucas Unidades da Federação que possui regras próprias de licitações e contratos.

O código maranhense, que teve ampla participação do advogado e professor Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, foi considerada uma das normas mais eficientes e avançadas. Em 2015, no entanto, foi revogado pelo Governador Flávio Dino em 2015. O texto, durante sua vigência, foi visto como um instrumento que deu celeridade, transparência e segurança jurídica na seleção de licitantes e futuros contratos, e que resultasse em um aumento da eficiência da Administração Pública.

O pregoeiro deve conhecê-lo para conhecer o que há de mais moderno no aspecto de licitações e contratos. Assim, ele poderá aprimorar os procedimentos do órgão e até solicitar à sua autoridade que busque implementar os mecanismos criados pelo Código do Maranhão.

 

10 – Sistema de Registro de Preços Permanente – Cemig

Em Minas Gerais, a Companhia Energética de MG – Cemig em conjunto com a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão – Seplag, elaborou dois decretos estaduais, publicados em abril de 2008: um que altera o pregão e outro que regulamenta o Sistema de Registro de Preços Permanente – SRPP. Tais alterações estão acarretando maior agilidade ao processo licitatório e criam novas alternativas de aquisição, principalmente para compras emergenciais.

O SRPP já é utilizado por alguns estados – Minas Gerais, Maranhão e Rondônia –, mas não foi implementado em âmbito federal. A modalidade é uma evolução do Sistema de Registro de Preços, no qual as empresas poderão atualizar os valores registrados a cada ano, garantindo assim a correção dos preços e a manutenção das vantagens ao poder público na utilização das atas de registro de preços. Hoje, esses documentos tem validade de, no máximo, 12 meses e não existe previsão de reajuste. O SRPP é para aquisição de bens usuais.

O sistema funciona da seguinte maneira: o gestor vai até os fornecedores e faz o levantamento de preço. Também verifica com o vencedor do ano passado se haverá alteração no preço. Caso seja mantido e nenhum outro fornecedor ofereça um preço menor, ele é o ganhador novamente. Assim, o Sistema de Registro de Preço Permanente tem o objetivo de conferir maior eficiência, racionalização e padrão aos procedimentos licitatórios.

Cemig foi pioneira no SRPPA atualização periódica do conteúdo da ata de registros de preços é a principal vantagem do SRPP. Nesse documento vinculativo, com características de compromisso para futura contratação, registram-se os preços, órgãos participantes, fornecedores, as condições, conforme disposições do instrumento convocatório e as propostas apresentadas pelos licitantes. Posto isso, a Administração Pública poderá contratar de acordo com suas necessidades e não necessariamente após a homologação do certame.

 Trata-se de outra ideia elaborada por Jacoby Fernandes e que foi inserida projeto de lei do Senado Federal – PLS nº 559/2013, que altera as regras de licitações e contratos e implementa o Sistema de Registro de Preços Permanente – SRPP.

 

 Bônus: Código de Conduta do Pregoeiro

Ao contrário do que ocorre com a licitação convencional, em que a responsabilidade pelas decisões é dividida entre os membros da Comissão de Licitação, no pregão, adotou-se a figura de um só agente decidindo, sendo auxiliado na execução de tarefas por uma equipe. O pregoeiro coordena os trabalhos da equipe de apoio, mas decide sozinho.

Desse modo, para os advogados especialistas do escritório Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados, um importante instrumento que pode ser criado para garantir a atividade eficiente e adstrita à legalidade durante o pregão é a criação de um código de conduta do pregoeiro. Além de ser uma garantia para a Administração Pública, o código de conduta servirá de guia do pregoeiro na sua atividade diária. Com a produção do instrumento, a Administração Pública se aperfeiçoa e se operacionaliza.

Assista o vídeo do professor Jacoby sobre o tema e saiba mais.

 

Veja outros vídeos preparados pela equipe do JFR/AA para sanar algumas dúvidas dos pregoeiros:

Remuneração do pregoeiro

 

Amostras no pregão

 

Punição por descumprimento de obrigações no pregão eletrônico

 

Check list do pregoeiro

Uso de robô em licitações e a divergência na jurisprudência

Pregoeiro pode desclassificar licitantes que deixaram de responder ao chat?

Quem pode ser pregoeiro?

Últimas Notícias

TCU envia considerações ao relator do projeto da Nova Lei de Licitações

21/05/2018
Por Kamila Farias O deputado federal João Arruda, relator do projeto de lei nº 6.814/2017, da Nova Lei de... Leia Mais

Câmara adia votação do parecer do relator da Nova Lei de Licitações

17/05/2018
por Alveni Lisboa A Comissão Especial de Modernização da Lei de Licitações adiou a votação do relatório contendo o... Leia Mais

Governo anuncia que vai priorizar transformação digital do setor público

15/05/2018
Em debate com os membros do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social – CDES, integrantes do Governo Federal apontaram... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

Não recebemos currículos fora de processos seletivos. Tem interesse de trabalhar conosco?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem