Dia da Constituição: conheça mais sobre a data e as constituições brasileiras

Se pesquisarmos na internet o Dia da Constituição, aparecem duas datas: 24 de janeiro e 25 de março, mas com significados diferentes. Há ainda quem diga que o dia da CF é 17 de maio. Mas então qual delas é a data oficial em que se comemora o Dia da Constituição? Este breve texto vai explicar qual a data correta para comemorar o Dia da Constituição.

O dia 24 de janeiro foi a data em que foi outorgada a Constituição de 1967, que ficou conhecida por legalizar e institucionalizar o regime militar. Já a data de 25 de março celebra quando o imperador D. Pedro I assinou a primeira Constituição Federal. Ambas as datas estão corretas, pois remetem a dias em que foram promulgadas constituições, porém a mais aceita é o dia 25 de março, como uma forma de homenagear a primeira constituição brasileira.

Já o dia 17 de maio é também considerado por alguns como o Dia da Constituição. Na verdade, esta é a data de criação da constituição norueguesa – que serviu de base para outras constituições mundiais, já que declarou a independência perante a Dinamarca. Ela nada tem a ver com o Brasil.

A Constituição é o conjunto de normas e leis de norteiam os direitos e deveres dos cidadãos, bem como das responsabilidades sociais do Estado, individuais ou coletivos, a fim de organizar o país. A primeira Constituição brasileira foi instituída em 1824, após o processo de Independência do Brasil.

Seguindo a história, a segunda Constituição foi instituída em 24 de fevereiro de 1891; a terceira, em 16 de julho de 1934; seguida da de 1937, conhecida por Polaca, por ter sido inspirada no modelo polonês. Esta Constituição de 37 era considerada extremamente autoritária e concedia ao governante poderes praticamente ilimitados. Em setembro de 1946, a quinta Constituição entrou em vigor. E em 1967, a sexta Carta Magna legalizou o regime militar no Brasil. Por fim, a sétima e atual, criada em 5 de outubro de 1988, redigida por uma Assembleia Constituinte , formada por representantes escolhidos pelo povo.

Evolução da Constituição brasileira

  1. Constituição de 1824

Foi a primeira Constituição e não foi democrática. Foi outorgada na vigência de Dom Pedro I, em 24 de março de 1824, após a dissolução da Assembleia Constituinte de 1823. Possuía 179 artigos e prevaleceu por 69 anos. Ela definia que a monarquia era a forma de governo de caráter hereditário; a religião católica era qual denominava na época; o direito de petição era garantido; todo cidadão poderia apresentar, por escrito, reclamações, queixas ou petições, e expor qualquer infração da Constituição Imperial, requerendo perante a autoridade competente responsabilidade dos infratores.

Além dos três poderes foi criado um novo poder, o Moderador, que era um poder autoritário que conferia a D. Pedro I poderes como chefe supremo da Nação, além de dar ao Imperador a competência para intervir nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. O Senado era composto de membros vitalícios, escolhidos pelo próprio Imperador, constituindo uma representação da Aristocracia Imperial.

 

  1. Constituição de 1891

Foi uma Constituição decretada e promulgada pelo Congresso Constituinte de 1891, convocado pelo governo provisório da república recém-proclamada. A Assembleia Constituinte foi eleita em 1890, teve como relator o senador Rui Barbosa, sofrendo forte influência da Constituição Norte Americana de 1787 e da França, consagrando o sistema de governo presidencialista, e a forma de Estado Federal. A nova Carta declarou a união perpétua e indissolúvel das antigas províncias, transformando-as em Estados Unidos do Brasil, vedando qualquer tipo de segregação.

Os poderes voltaram a ser três, excluindo o Poder Moderador. O vice-presidente da república era o presidente do Senado. Não podiam votar os mendigos, os analfabetos, os religiosos de ordem monástica e os militares de baixa patente. Previu-se expressamente o habeas corpus.

 

  1. Constituição de 1934

A Constituição de 1934 teve como inspiração a Constituição Alemã de 1919 e a Constituição da Espanha de 1931. Essa Constituição ficou conhecida por reconhecer os direitos dos trabalhadores, e foi promulgada em 16 julho de 1934. Ainda, determinou-se a proibição de diferença de salário para um mesmo trabalhador, por motivo de idade, sexo, nacionalidade ou estado civil. Instituiu-se o salário mínimo e houve uma reforma eleitoral com a introdução do voto secreto e do voto feminino.

 

  1. Constituição de 1937

A Constituição de 1937 foi imposta pelo ditador Getúlio Vargas em 10 de Novembro de 1937, e ficou conhecida como Polaca, por causa da semelhança com a Constituição Polonesa de 1935. Getúlio Vargas, o chefe de Estado era o único titular do Poder Constituinte. Esse período da história brasileira ficou conhecido como Estado Novo, de 1937 a 1945.

Nesse período foram instituídos os seguintes documentos legais em vigor até hoje: Código Penal, Código de Processo Penal, Leis das Contravenções Penais e consolidação das Leis Trabalhistas. Foi determinado em todo o Brasil estado de emergência que perdurou durante todo o Estado Novo. Foram abolidos os partidos políticos e a liberdade de imprensa.

 

  1. Constituição de 1946

A Constituição de 1946 surgiu com a renúncia de Getúlio Vargas, e toma o poder o presidente José Linhares, presidente na época do Supremo Tribunal Federal. Foram criados novos partidos políticos, dentre eles, Partido Social Democrático, União Democrático Nacional Partido Trabalhista Brasileiro e Partido Comunista Brasileiro. A Justiça do Trabalho foi constitucionalizada e passou a ser um ramo do Poder Judiciário. O foro privilegiado ficou proibido e a retroatividade da lei Penal ficou vedada. Foi garantida a assistência judiciária para os necessitados.

Com a renúncia do presidente Jânio Quadros, em 25 de agosto de 1961, ocorreu uma crise que culminou com a implementação do parlamentarismo no País por meio da Emenda Constitucional nº 4, de 02 de setembro de 1961, tornando assim a presidência da República João Goulart. Através de referendo popular em janeiro de 1963, o parlamentarismo foi afastado do sistema político brasileiro.

 

  1. Constituição de 1967

O presidente Castelo Branco nomeou uma comissão de quatro juristas para que elaborassem uma nova Constituição. A comissão era composta por Levy Carneiro, Seabra Fagundes, Orizombo Novato e Temístocles Brandão. Por meio do AI – 4, Castelo Branco convocou o Congresso Nacional que estava fechado para analisar, deliberar e aprovar o projeto de Constituição. Em 24 de janeiro de 1967, o projeto foi votado e aprovado pelo Congresso com algumas mudanças.

Assim, o presidente da Republica podia expedir decretos com força de Lei sobre matéria de segurança nacional e finanças públicas. O Ministério Público era uma seção conjugada ao poder Judiciário. Reduziu, no entanto, a autonomia dos municípios estabelecendo a nomeação de prefeitos de alguns municípios pelo governador.

Em virtude de a emenda constitucional nº 1, de 17 de outubro de 1969, ter modificado, por completo, a constituição de 1967, afirmam que foi uma nova Constituição. Assim, a garantia constitucional do Habeas Corpus ficou suspensa nos casos de crimes políticos e de crimes contra a segurança nacional, a ordem econômica e social e economia popular. Determinou-se o banimento, do território nacional do brasileiro que, comprovadamente, se tornasse inconveniente, nocivo ou perigoso à segurança nacional.

A pena de morte foi reintroduzida nos casos de guerras externas, psicológica adversa ou revolucionária ou subversiva. Elevou-se o período presidencial para cinco anos. Foi reaberto o Congresso Nacional, que elegeu no dia seguinte o novo presidente da república General Emílio Garrastazu Médici, indicado pelas autoridades militares do governo revolucionário.

 

  1. Constituição de 1988

A atual constituição é chamada de Constituição Cidadã porque consolidou diversas leis no campo dos direitos humanos, representando uma grande melhoria no processo de democratização brasileira. Ainda, um dos principais avanços foi a eleição direta para presidente, governador, prefeito, senador, deputado e vereador. É um documento formal e escrito, dogmático, analítico e rígido, ou seja, seu texto é extremamente minucioso e só pode ser alterado por emendas constitucionais.

Dentre as novidades, a Constituição de 1988 trouxe a criação do Sistema Único de Saúde – SUS. Além disso, ampliou os direitos trabalhistas, reduzindo a jornada semanal de 48 horas para 44 horas, reinstituindo o direito de greve e possibilitando a liberdade de associação sindical, além do décimo-terceiro salário para aposentados e seguro-desemprego. Seu Título II conta com mais de 70 incisos sobre os direitos de todo cidadão à vida, à liberdade, à igualdade, à propriedade e à segurança. Mais inovadores são os 12 direitos sociais do Capítulo II, que incluem transporte, lazer, previdência social, assistência aos desamparados e proteção à maternidade e à infância.

Outra importante inovação foi o fato de conceder mais autonomia para os estados e municípios. Embora ainda dependam do repasse do orçamento, os governadores e prefeitos passaram a ter mais liberdade para investir o dinheiro público, o que possibilitou o enfrentamento de problemas locais pouco visíveis para o governo federal.

 

Estrutura da Constituição

A Constituição de 1988 está dividida em nove títulos. As temáticas de cada título são:

 

Título I — Princípios Fundamentais

Do artigo 1.º ao 4º: os fundamentos sob os quais constitui-se a República Federativa do Brasil.

 

Título II — Direitos e Garantias Fundamentais

Do artigo 5.º ao 17 são elencados uma série de direitos e garantias, reunidos em cinco grupos básicos:

 

Capítulo I: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos

Capítulo II: Direitos Sociais

Capítulo III: Nacionalidade

Capítulo IV: Direitos Políticos

Capítulo V: Partidos Políticos

 

Título III — Organização do Estado

Do artigo 18 ao 43 é definida a organização político-administrativa, ou seja, das atribuições de cada ente da federação; além disso, tratam das situações excepcionais de intervenção nos entes federativos, versam sobre Administração Pública e servidores públicos militares e civis, e também das regiões do país e sua integração geográfica, econômica e social.

 

Título IV — Organização dos Poderes

Do artigo 44 ao 135 é definida a organização e as atribuições de cada poder, bem como de seus agentes envolvidos. Também definem os processos legislativos, inclusive os que emendam a Constituição.

 

Título V — Defesa do Estado e das Instituições Democráticas

Do artigo 136 ao 144 são definidas as questões relativas à Segurança nacional, regulamentando a intervenção do Governo Federal através de decretos de Estado de Defesa, Estado de Sítio, intervenção das Forças armadas e da Segurança pública.

 

Título VI — Tributação e Orçamento

Do artigo 145 ao 169 são estabelecidas as limitações tributárias do poder público, organizando o sistema tributário e detalhando os tipos de tributos e a quem cabe cobrá-los. Tratam ainda da repartição das receitas e das normas para a elaboração do orçamento público.

 

Título VII — Ordem Econômica e Financeira

Do artigo 170 ao 192 são reguladas a atividade econômica e financeira, bem como as normas de política urbana, agrícola, fundiária e reforma agrária, versando ainda sobre o sistema financeiro nacional.

 

Título VIII — Ordem Social

Do artigo 193 ao 232 são tratados os temas relacionados ao bom convívio e desenvolvimento social do cidadão, como deveres do Estado: Saúde; Educação; Cultura e Esporte; Ciência e Tecnologia; Comunicação social; Meio Ambiente; Família; e Populações Indígenas.

 

Título IX — Disposições Constitucionais Gerais

Do artigo 234 ao 250 são tratadas as disposições esparsas versando sobre temáticas variadas e que não foram inseridas em outros títulos em geral por tratarem de assuntos muito específicos.

 

Últimas Notícias

Governo anuncia nova pauta prioritária no Congresso e sinaliza possível votação da nova Lei de Licitações

20/02/2018
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou ontem, 19, uma lista de 15 projetos na área econômica que... Leia Mais

Código de Conduta regula relações de servidores com empresas estrangeiras

16/02/2018
por J. U. Jacoby Fernandes Imprimir uma conduta ética em todas as suas atribuições é um dever do servidor... Leia Mais

Deputado quer alterar Lei das Estatais para limitar dispensa de licitação

15/02/2018
Em tramitação na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei nº 8.183/2017, do deputado João Daniel (PT/SE), dispõe que... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem