Exigir gramatura de papel em serviço de impressão não significa, necessariamente, restrição à competitividade, decide TCU

O ministro do Tribunal de Contas da União – TCU Aroldo Cedraz decidiu, por meio do Acórdão nº 1176/2017 – Plenário, afastar as multas aplicadas a gestores pela suposta inserção de cláusulas restritivas à competitividade em pregão.

O processo foi aberto por em razão de uma representação feita ao TCU por empresa licitante que se sentiu lesada no direito de participação do Pregão Eletrônico nº 1/2015, alegando que o edital possuía cláusulas restritivas à competição, pois exigia gramatura do papel e capacidade de impressão da máquina, sem justificativa técnica. Com isso, na época, apesar de o órgão ter anulado a licitação, o TCU multou os gestores.

“A definição de valores mínimos e máximos da gramatura do papel ou capacidade de impressão, em verdade, teve como objetivo ampliar a competição e não reduzi-la. Isso porque, o objetivo era permitir que todo equipamento que estivesse compreendido naquela faixa de capacidade, mais alargada do que a comumente usada pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação – SLTI,  pudesse ser aceito. O aconteceu, incialmente, foi interpretação equivocada por alguns licitantes de que se pretendia aceitar somente equipamentos que trabalhassem em toda a faixa de gramatura, restringindo a competição por exigência de uma capacidade técnica maior do que a necessária.”, explica a advogada do caso, Cristiana Muraro, do escritório Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados.

Não houve restrição a competitividade

Muraro explica que o edital estabeleceu três tipos de impressora, as quais tivessem a capacidade de trabalhar com papeis de gramatura entre 64 e 240 g/m². “Ou seja, havia uma larga margem para apresentação do produto adequado, não se limitando a um tipo de equipamento. Não há qualquer restrição à competividade”, explicou a advogada.

O ministro também entendeu que todos os equipamentos que estivessem compreendendo os intervalos numéricos atenderiam o edital, não havendo restrição de participação. Aroldo Cedraz, inclusive, citou decisões de outros tribunais de contas que foram semelhantes a sua.

“A especificação utilizada no edital questionado foi extraída, ipsis litteris, do exemplo contido no Caderno de Logística – Prestação de Serviços de Reprografia, publicado em 2014 pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, unidade responsável pela coordenação geral das aquisições logísticas do Poder Executivo Federal. No caso, a exigência da autarquia foi até menos rigorosa do que a preconizada pela SLTI, porquanto as dimensões, em polegadas, de 8,5” x 14”, equivalem a 215,9 mm x 355,6 mm, faixa superior à especificação mínima exigida pela Autarquia.”, explicou o ministro em seu voto.

Após o voto do relator, a Corte deliberou e decidiu extinguir a multa do ex-diretor e outros três servidores, com base no art. 281 do Regimento Interno do TCU.

Leia o Acórão na íntegra.

Últimas Notícias

Governo anuncia nova pauta prioritária no Congresso e sinaliza possível votação da nova Lei de Licitações

20/02/2018
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou ontem, 19, uma lista de 15 projetos na área econômica que... Leia Mais

Código de Conduta regula relações de servidores com empresas estrangeiras

16/02/2018
por J. U. Jacoby Fernandes Imprimir uma conduta ética em todas as suas atribuições é um dever do servidor... Leia Mais

Deputado quer alterar Lei das Estatais para limitar dispensa de licitação

15/02/2018
Em tramitação na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei nº 8.183/2017, do deputado João Daniel (PT/SE), dispõe que... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem