Governo anuncia 57 projetos de concessões e privatização de empresas públicas

Para reduzir o déficit e estimular a economia, o Governo Federal anunciou que colocará à disposição da iniciativa privada a administração de 14 aeroportos, 11 lotes de linhas de transmissão, 15 terminais portuários, parte da Eletrobras, além da alienação de participação acionária da Infraero. Com a medida, o governo espera arrecadar cerca de R$ 44 bilhões ao longo dos anos de vigência dos contratos. Somente o repasse dos portos já seria suficiente para gerar mais de R$ 2 bilhões para os cofres da União ainda em 2017.

Ontem, 23, o Conselho do Programa de Parcerias de Investimento – PPI decidiu incluir no programa de desestatização: novas rodovias, a Casa da Moeda, a Lotex e a Companhia Docas do Espírito Santo. Ao todo, serão 57 projetos concedidos ao mercado privado, seja no modelo tradicional de privatização ou via parcerias público-privadas. A Casa da Moeda, por exemplo, além de produzir as moedas e cédulas de dinheiro, também é responsável pela impressão de passaportes e selos.

Os aeroportos a serem licitados foram divididos em quatro blocos. Um deles inclui apenas o aeroporto de Congonhas, segundo maior do País, com uma movimentação de 21 milhões de passageiros por ano. O segundo bloco abrange aeroportos do Nordeste: Maceió, Aracaju, João Pessoa, Campina Grande, Juazeiro do Norte e Recife. Outro bloco, menor, será formado por terminais localizados no estado de Mato Grosso, nas cidades de Cuiabá, Sinop, Ala Floresta, Barra do Garça e Rondonópolis. Por fim, o quarto bloco vai abranger apenas os aeroportos de Vitória/ES e de Macaé/RJ.

Comentários do professor Jacoby Fernandes: as medidas de enxugamento da máquina pública são muito bem-vindas. Há potencial para reaquecer a economia e gerar emprego em todo o País. As áreas que serão concedidas ou privatizadas podem ter um crescimento exponencial se a empresa ganhadora souber administrar com eficácia o negócio. Todos acabam se beneficiando: o governo, que arrecada mais e pode se preocupar com outras questões; o empresário, que traz a sua expertise do mercado privado para aprimorar o serviço e consegue lucrar; e, principalmente, a população brasileira, que recebe um serviço de melhor qualidade. A complexa e burocrática legislação brasileira, no entanto, pode ser um empecilho para o investidor. Por isso, recomenda-se a busca por embasamento jurídico e auxílio técnico. Afinal não é nada simples contratar com o governo brasileiro.

Com informações da Agência Brasil.

Últimas Notícias

Governo anuncia nova pauta prioritária no Congresso e sinaliza possível votação da nova Lei de Licitações

20/02/2018
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou ontem, 19, uma lista de 15 projetos na área econômica que... Leia Mais

Código de Conduta regula relações de servidores com empresas estrangeiras

16/02/2018
por J. U. Jacoby Fernandes Imprimir uma conduta ética em todas as suas atribuições é um dever do servidor... Leia Mais

Deputado quer alterar Lei das Estatais para limitar dispensa de licitação

15/02/2018
Em tramitação na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei nº 8.183/2017, do deputado João Daniel (PT/SE), dispõe que... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem