Quase 110 milhões de processos passaram pelo Judiciário em 2016

por Alveni Lisboa

Se o Judiciário parasse de receber ações novas e se dedicasse a julgar apenas os processos em trâmite, precisaria dedicar dois anos e oito meses à tarefa. Esse dado impressionante foi divulgado na edição de 2017 do relatório “Justiça em Números”, do Conselho Nacional de Justiça – CNJ. A pesquisa revela que 109,1 milhões de processos tramitaram pela Justiça em 2016. O número é o resultado da soma dos processos em acervo registrado no ano com o total de “processos baixados” computados pelo CNJ.

A quantidade de processos em trâmite cresceu 7% em relação a 2015. Já o acervo teve um aumento de 3,6%. Nesta edição, o CNJ mudou a forma de cálculo e passou a deixar as informações mais próximas ao estipulado na Resolução nº 76/2009, considerando os: casos remetidos para órgãos judiciais de outra competência – da Justiça do Trabalho para a Federal, por exemplo; casos remetidos para instâncias superiores ou inferiores; casos arquivados definitivamente; e casos em que houve trânsito em julgado ou que estão em fase de execução.

A pesquisa deixou de analisar apenas casos julgados, mas considerou os casos baixados. Isso porque uma sentença que sobe para o tribunal, por exemplo, é considerada baixada, já que deixou a primeira instância. E um recurso devolvido ao primeiro para liquidação da sentença também entra na conta. Ou seja: muitas vezes um processo sai de uma instância para entrar em outra, mas não conta como caso novo, pois já estava em tramitação. O resultado é que, com a nova metodologia, o número de casos novos passou a ser muito próximo do número de casos baixados. Em 2016, a conta ficou em 29,7 milhões.

Comentário do Prof. Jacoby Fernandes:  os dados revelaram que os tribunais superiores aumentaram suas despesas, mas proferiram menos decisões em 2016 – mesmo havendo uma redução no ingresso de novos processos. Essas instituições custaram R$ 3,8 bilhões em 2016, o que equivale a 4,5% Judiciário, sendo que a imensa maioria utilizou entre 80% e 89% do orçamento somente para custear a folha de pagamento dos servidores. Qualquer empresa na iniciativa privada já teria falido com um percentual de gastos tão elevado diante de uma efetividade tão baixa. E mesmo com um orçamento elevado, muitas cortes ainda pecam no atendimento aos advogados, deixando-os confinados em cubículos, de pé e aguardando a – nem sempre – boa vontade do atendente no balcão de protocolo.

Há informações relevantíssimas na pesquisa que devem fazer a sociedade refletir sobre a eficácia do Poder Judiciário. Os juízes e servidores precisam ser adequadamente remunerados, mas devem justificar seus altos salários com competência, dedicação e resultados sólidos no desempenho das suas atividades.

Com informações da pesquisa Justiça em Números.

Últimas Notícias

Governo anuncia nova pauta prioritária no Congresso e sinaliza possível votação da nova Lei de Licitações

20/02/2018
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou ontem, 19, uma lista de 15 projetos na área econômica que... Leia Mais

Código de Conduta regula relações de servidores com empresas estrangeiras

16/02/2018
por J. U. Jacoby Fernandes Imprimir uma conduta ética em todas as suas atribuições é um dever do servidor... Leia Mais

Deputado quer alterar Lei das Estatais para limitar dispensa de licitação

15/02/2018
Em tramitação na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei nº 8.183/2017, do deputado João Daniel (PT/SE), dispõe que... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem