STF instala ferramenta de inteligência artificial para agilizar tramitação de processos

Publicado em: 04/06/2018

por Kamila Farias

O Supremo Tribunal Federal – STF instalou uma ferramenta de inteligência artificial, batizada de Victor, que lerá todos os recursos extraordinários que sobem para o STF e identificará quais estão vinculados a determinados temas de repercussão geral. De acordo com o Supremo, essa ação representa apenas uma parte da fase inicial do processamento dos recursos no Tribunal e envolve um alto nível de complexidade em aprendizado de máquina. “Trata-se do maior a mais complexo projeto de IA do Poder Judiciário e, talvez, de toda a Administração Pública brasileira”, ressaltou a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia.

Victor está na fase de construção de suas redes neurais para aprender a partir de milhares de decisões já proferidas no STF. O objetivo, nesse momento, é que ele seja capaz de alcançar níveis altos de acurácia – que é a medida de efetividade da máquina –, para que possa auxiliar os servidores em suas análises. A expectativa é de que os primeiros resultados sejam mostrados em agosto de 2018. O projeto está sendo desenvolvido em parceria com a Universidade de Brasília – UnB.

Victor não se limitará ao seu objetivo inicial, que deverá aumentar a velocidade de tramitação dos processos para auxiliar o trabalho do Supremo. A máquina não decide, não julga, isso é atividade humana. Está sendo treinada para atuar em camadas de organização dos processos para aumentar a eficiência e velocidade de avaliação judicial. A ideia é que, em breve, todos os tribunais do Brasil usem o Victor para pré-processar os recursos extraordinários logo após sua interposição, o que visa antecipar o juízo de admissibilidade quanto à vinculação a temas com repercussão geral.

Comentário do advogado Victor Scholze: a Administração Pública precisa buscar as ferramentas mais adequadas para efetivar a prestação dos serviços públicos. E essa busca passa, necessariamente, pela utilização das ferramentas eletrônicas, ou seja, pela gestão da Tecnologia da Informação. O ministro Aroldo Cedraz, no Acórdão nº 2.308/2010, conceituou a Governança de TI como o conjunto estruturado de políticas, normas, métodos e procedimentos destinados a permitir à alta administração e aos executivos o planejamento, a direção e o controle da utilização atual e futura de tecnologia da informação, de modo a assegurar, a um nível aceitável de risco, eficiente utilização de recursos, apoio aos processos da organização e alinhamento estratégico com objetivos dessa última. Seu objetivo, pois, é garantir que o uso da TI agregue valor ao negócio da organização. E essa nova ferramenta deve atingir todos os requisitos dispostos no Acórdão.

Com informações do portal do STF.

Últimas Notícias

Decreto atualiza valores das modalidades de licitação e da contratação direta sem licitação previstas no art. 23 da Lei nº 8.666/1993

19/06/2018
O Decreto nº 9.412, de 18 de junho de 2018, publicado no Diário Oficial da União do dia 19... Leia Mais

Presidente do TCU se posiciona sobre mudanças na Lei de Licitações

15/06/2018
O presidente do Tribunal de Contas da União – TCU, ministro Raimundo Carreiro, divulgou ontem, 14, durante realização de... Leia Mais

JFR/AA participa de megaevento sobre PPPs e infraestrutura em São Paulo

13/06/2018
Com o objetivo de discutir o futuro de setores estratégicos e estimular soluções para a viabilização de projetos de... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

Não recebemos currículos fora de processos seletivos. Tem interesse de trabalhar conosco?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem