Brasil e Chile assinam acordo de compras governamentais

Publicado em: 30/04/2018

Por Kamila Farias

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, anunciou que o Brasil e o Chile assinaram o Acordo de Compras Públicas, na sexta-feira, 27. Para o ministro, o anúncio terá efeitos positivos na governança e aperfeiçoará a legislação e instituições brasileiras. O acordo abrange compras de produtos e serviços acima de R$ 470 mil e obras de valor superior a R$ 24 milhões, de uma lista ampla de entidades da Administração Pública federal.

Seja por meio do comércio de bens e serviços ou por meio dos investimentos estrangeiros, o acordo permitirá a ampliação da competição nas licitações brasileiras, uma vez que as empresas dos dois países poderão participar das licitações públicas em igualdade de condições. “O ato prevê que as partes cooperem no que se refere ao reconhecimento mútuo de documentação dos fornecedores, o que pode representar uma redução concreta de barreiras à participação de empresas estrangeiras em licitações”, disse o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Jorge Arbache.

Além do Chile, o Brasil já tem acordo internacional de contratações públicas com o Peru e um protocolo com as mesmas finalidades foi formalizado no Mercosul – Argentina, Paraguai e Uruguai – em dezembro passado. O Brasil tem negociações em curso com União Europeia, Associação Europeia de Comércio Livre, Canadá, México e Colômbia.

No Brasil, as denominadas compras governamentais – aquisição de bens, serviços e obras pelo governo – são regulamentadas pela Lei nº 8.666/1993, Lei de Licitações e Contratos.

Comentário do professor Jacoby Fernandes: em agosto do ano passado, o Brasil ingressou como observador no Comitê do Acordo de Compras Governamentais, da Organização Mundial do Comércio. Assim, o Brasil tem a vantagem de acompanhar os acordos plurilaterais de compras públicas e de participar de discussões. O ingresso do País como observador representa a busca por um equilíbrio entre a normatização internacional e as demandas internas existentes. Vale destacar, também, que a idoneidade das compras públicas, assim como o respeito e a correta aplicação dos recursos do erário, não é uma preocupação apenas do Brasil. As compras públicas também são objeto de estudo e acompanhamento dos organismos internacionais. O Protocolo de Contratações Públicas do Mercosul, por exemplo, tem por objetivo assegurar tratamento não discriminatório aos bens, serviços e obras públicas originários fornecidos por provedores e prestadores dos Estados Partes do bloco.

Com informações do portal do Ministério do Planejamento.

Para mais informações, assista ao nosso vídeo Como Contratar com  Governo Brasileiro.

Últimas Notícias

Jaques Reolon lança primeira edição do livro Conselhos Profissionais

16/08/2018
por Kamila Farias e Alveni Lisboa Ontem, 15, ocorreu o lançamento da primeira edição do livro “Conselhos Profissionais”, do... Leia Mais

Representantes de conselhos profissionais de todo o Brasil se reúnem em Brasília para conferência nacional

14/08/2018
Entre os dias 14 e 17 de agosto, Brasília recebe a 2ª Conferência Nacional dos Conselhos Profissionais, realizada pela... Leia Mais

Palestra para empresários detalha impactos da Lei as Estatais no mercado privado

13/08/2018
O escritório Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados, em parceria com o Instituto Protege, realizará a palestra gratuita “As... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

NÃO RECEBEMOS CURRÍCULOS FORA DE PROCESSOS SELETIVOS.
TEM INTERESSE EM TRABALHAR CONOSCO?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem