Governo quer regulamentar lobby por meio da transparência de dados

Publicado em: 12/02/2019

por Alveni Lisboa

O ministro da Controladoria-Geral da União – CGU, Wagner Rosário, disse que está entre as prioridades da pasta a regulamentação do lobby por intermédio da transparência de dados. Lobby é o nome que se dá às ações organizadas por grupos específicos para tentar obter propostas e medidas de seus interesses na esfera pública. A iniciativa foi revelada durante entrevista à EBC veiculada ontem, 11.

Uma das ideias do ministro é implantar um sistema de agendas que dê publicidade a contatos entre agentes públicos e representantes de empresas privadas. As agendas registrarão “quem está indo ali [ao órgão público], em nome de quem, com que objetivo”. Wagner Rosário disse que, “para serem legais e éticos”, os encontros no ambiente público com representantes de interesses privados têm que ser transparentes. “A gente espera conseguir atuar antes que o problema aconteça”, defendeu.

Segundo a EBC, a CGU está preparando um pacote inédito de medidas de combate à corrupção, defesa do patrimônio púbico e transparência na gestão. As ações estão previstas no plano dos 100 primeiros dias de governo e foram detalhadas pelo ministro Wagner Rosário. A condução do pacote ficará sob responsabilidade de um comitê interministerial de combate à corrupção formado pelos titulares da CGU, dos ministérios da Justiça e Segurança Pública e da Economia e do Banco Central. Segundo Rosário, o grupo se reunirá periodicamente e terá como função “subsidiar o presidente da República e suas decisões e tentar apontar os problemas que nós temos no governo”.

Segundo o advogado e professor Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, a atividade de lobby deve ser desempenhada por pessoas jurídicas interessadas no aperfeiçoamento de normas e em negociar com a Administração Pública, de maneira transparente, respeitando a ética e a legislação vigente, em especial os códigos de ética e a lei de conflito de interesses. “Se isso for feito dentro dos limites da legalidade, pautadas em matérias que envolvem o direito público, em especial o direito administrativo, o país ganhará muito na transparência das relações”, afirma Jacoby.

Há discussões que avançaram no Congresso nos últimos anos visando a regulamentação do lobby. Em 2017, um projeto foi aprovado na Câmara, mas aguarda decisão do Senado. “Enquanto esse normativo não é aprovado definitivamente, cabe ao gestor público zelar pelos princípios republicanos”, conclui Jacoby Fernandes.

Com informações da Agência Brasil.

Últimas Notícias

Lewandowski rejeita trâmite de ação contra dispositivo da Lei das Estatais

15/04/2019
A discussão era sobre o dispositivo que veda a indicação de pessoa que exerça cargo em organização sindical... Leia Mais

Erro que leve à indevida desclassificação de proposta deve ser atribuído a comissão de licitação, diz TCU

12/04/2019
O relator ainda defendeu que não se deve esperar de um “gestor médio, diligente e probo o especial cuidado... Leia Mais

TCU aponta que 86% dos salários das estatais são superiores aos do setor privado

10/04/2019
O trabalho envolveu 104 empresas estatais, com mais de 459 mil empregados públicos e dispêndio total anual em salários... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

NÃO RECEBEMOS CURRÍCULOS FORA DE PROCESSOS SELETIVOS.
TEM INTERESSE EM TRABALHAR CONOSCO?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem

[recaptcha]