Nova lei de licitações prevê inovações que facilitarão o dia a dia do gestor e do empresário

Publicado em: 01/08/2019

O recesso dos parlamentares está terminando e, com isso, aumenta a expectativa de votação no Plenário da Câmara dos Deputados do projeto da nova Lei de Licitações – PL nº 1292/1995, PL nº 6814/2017 e apensados –, que promove uma série de alterações no modelo de compras feitas pela União, por estados e por municípios.

O Plenário deve analisar os destaques, que são as sugestões de mudanças pontuais, apresentados pelos deputados ao parecer do relator Augusto Coutinho (Solidariedade/PE). Entre as mudanças está a formalização de audiência e consulta pública e as suas utilizações. A legislação atual não prevê formalmente a realização de audiências ou consultas públicas com interessados para tratar sobre licitações.

Conforme o art. 20 da nova lei de licitações, a Administração Pública poderá convocar, com antecedência mínima de oito dias úteis, uma audiência pública, presencial ou à distância, sobre a licitação que pretenda realizar. Isso deve ocorrer com a disponibilização prévia de informações, incluindo estudo técnico, elementos do edital e outros, e com a possibilidade de manifestação de todos os interessados. “A Administração também poderá submeter a licitação à prévia consulta pública, mediante a disponibilização de seus elementos a todos os interessados, que poderão formular sugestões no prazo fixado”, esclarece o advogado e professor de Direito Murilo Jacoby, especialista em Licitações e Contratos.

Outro ponto que auxiliará aos interessados em licitação é o glossário de termos. As regras de licitação atuais trazem apenas conceitos em suas ementas ou artigos iniciais, sem adentrar em mais explicações sobre terminologias específicas da área. O projeto da nova lei, no entanto, inova ao trazer uma breve explicação de termos, siglas e conceitos utilizados ao longo da lei, o que, segundo Murilo Jacoby, facilita a compreensão do leitor, “principalmente daqueles menos familiarizados com as terminologias técnicas da área de compras públicas”. Assim, no art. 6 da nova lei estão dispostas as “definições”.

Plataforma online e centralizada de licitações

Atualmente, não há um sistema único que agregue dados em nível nacional sobre as contratações públicas. O sistema existente é o Portal de Compras Governamentais, o Comprasnet, que reúne apenas as licitações e contratos da União. Pelo projeto, será criado o Portal Nacional de Contratações Públicas – PNCP, que deverá ser instituído pelo Executivo federal e disponibilizado para uso de todos os entes da Federação.

Segundo Murilo, o art. 173 dispõe que o PNCP será destinado à divulgação centralizada e obrigatória dos atos exigidos pela nova lei; realização facultativa das contratações pelos órgãos e entidades dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário de todos os entes federativos. O PNCP será gerido pelo Comitê Gestor da Rede Nacional de Contratações Públicas. O Portal terá informações sobre planos de contratação anuais; catálogos eletrônicos de padronização; editais de credenciamento e de pré-qualificação, avisos de contratação direta e editas de licitação e seus respectivos anexos; atas de registro de preços; contratos e termos aditivos; notas fiscais eletrônicas, quando for o caso.

Murilo Jacoby explica, também, que o PNCP deverá, entre outras funcionalidades, oferecer sistema de registro cadastral unificado; painel para consulta de preços, banco de preços em saúde e acesso à base nacional de notas fiscais eletrônicas; sistema de planejamento e gerenciamento de contratações; sistema eletrônico para a realização de sessões públicas; acesso ao Cadastro Nacional de Empresas Inidôneas e Suspensas e ao Cadastro Nacional de Empresas Punidas; sistema de gestão compartilhada com a sociedade de informações referentes à execução do contrato.

“Mesmo com o portal oficial, os entes federativos poderão criar site oficial para divulgação complementar e realização das suas contratações, desde que mantida a integração com o PNCP”, afirma Jacoby.

Vale destacar que, tendo em vista a dificuldade dos pequenos municípios na implementação da forma eletrônica e adoção do Portal Nacional de Contratações Públicas, que requer acesso à internet de banda larga, foi ampliado de quatro para seis anos o prazo para cumprimento das regras relacionadas a essas medidas e a aplicação expandida para aos municípios com até 20.000 habitantes.

Últimas Notícias

Palestras em Brasília e no Rio de Janeiro abordarão novos cenários para os conselhos profissionais do país

29/10/2019
Duas novas oportunidades para o debate sobre as alterações normativas para os Conselhos de Fiscalização das Profissões do país... Leia Mais

Processo seletivo: aprendiz para atuação na área administrativa

22/10/2019
Jovens entre 14 e 24 anos podem encaminhar o currículo até dia 27 de outubro. Saiba mais sobre a... Leia Mais

TCU evoluiu a partir da atuação dos advogados, diz ministro André Luiz

10/10/2019
Afirmação foi feita durante debate sobre atuação dos conselhos profissionais no Instituto Protege. PEC 108 segue na Câmara com... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

NÃO RECEBEMOS CURRÍCULOS FORA DE PROCESSOS SELETIVOS.
TEM INTERESSE EM TRABALHAR CONOSCO?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem

[recaptcha]