STF absolve deputada Professora Dorinha em acusação de fraude em licitação

Publicado em: 31/08/2018

O plenário do Supremo Tribunal Federal – STF absolveu a deputada Professora Dorinha (DEM-TO) acusada de ter comprado livros didáticos sem licitação quando era secretária de Educação do Tocantins, entre 2002 e 2004. De acordo com o posicionamento do relator, ministro Ricardo Lewandowski, não se identificou quaisquer indícios de irregularidades na aquisição.

Parecer do escritório Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados

Professora Dorinha foi inocentada pelo STF

“Concluo não haver prova de que a acusada tenha de qualquer forma interferido na escolha de livros a serem adquiridos para o programa de educação de jovens e adultos, cuja atribuição coube a uma equipe técnica formada por pedagogos, que analisara o material existente e selecionara as obras que atenderiam aos alunos da rede estadual, e tampouco tenha a embargante manifestado preferência por qualquer uma das obras, editoras ou distribuidoras específicas”, afirmou o ministro.

O advogado e especialista em Administração Pública, Jaques Reolon, do escritório Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados, destacou que a decisão do STF é muito relevante, considerando que a escolha dos livros didáticos, por sua natureza, não são passíveis de licitação do tipo técnica ou técnica e preço. Segundo o advogado, co-autor de parecer encaminhado ao STF sobre o caso, este tipo de compra somente deve ser realizada após parecer técnico de profissional ou comissão capacitada para esta atividade específica. “A medida é fundamental para garantir que a aquisição se dê com base em parâmetros pedagógicos. Pelo que entendeu o STF, a atuação diligente da gestora pública garantiu a melhor escolha para a Administração”, esclarece.

Apresentação de carta de exclusividade

Jaques Reolon foi um dos autores do parecer enviado ao STF

Outro ponto discutido pelos ministros do STF refere-se à apresentação de “carta de exclusividade” de representante do produto. No caso concreto, foi apresentada uma carta da Câmara Brasileira de Livros – CBL, que informa haver divisão regional de atuação entre concorrentes, fundamentando a inexigência de licitação.

No julgamento, o relator destacou que a prática é reconhecida pelo Tribunal de Contas da União – TCU como legal e a carta apresentada pela empresa foi emitida por entidade legítima. Para Jaques Reolon, a decisão do STF se coaduna com o ordenamento jurídico atual. “A doutrina e a jurisprudência  aplicam a instrumentalidade das formas ao conceito de entidades aptas a emitir o atestado de exclusividade de representante comercial, ampliando o rol dos legitimados elencados impropriamente – porque incapazes da tarefa – no inc. I do art. 25 do Estatuto das Licitações”, conclui o parecerista.

Últimas Notícias

Palestras em Brasília e no Rio de Janeiro abordarão novos cenários para os conselhos profissionais do país

29/10/2019
Duas novas oportunidades para o debate sobre as alterações normativas para os Conselhos de Fiscalização das Profissões do país... Leia Mais

Processo seletivo: aprendiz para atuação na área administrativa

22/10/2019
Jovens entre 14 e 24 anos podem encaminhar o currículo até dia 27 de outubro. Saiba mais sobre a... Leia Mais

TCU evoluiu a partir da atuação dos advogados, diz ministro André Luiz

10/10/2019
Afirmação foi feita durante debate sobre atuação dos conselhos profissionais no Instituto Protege. PEC 108 segue na Câmara com... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

NÃO RECEBEMOS CURRÍCULOS FORA DE PROCESSOS SELETIVOS.
TEM INTERESSE EM TRABALHAR CONOSCO?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem

[recaptcha]