TCU altera Instrução Normativa que regula os processos de desestatização

Publicado em: 05/07/2018

Por Kamila Farias

O Tribunal de Contas da União – TCU alterou a Instrução Normativa nº 81/2018, que regula os processos de desestatização, para incluir uma regra de transição em relação a prazos. O intuito, de acordo com o Tribunal, é esclarecer dúvidas a respeito da aplicabilidade da IN, principalmente em relação ao alcance aos processos autuados no TCU a partir de 1º de janeiro de 2019. Ou seja, os processos já autuados ou que vierem a ser autuados até 31 de dezembro deste ano permanecerão submetidos aos ritos estabelecidos na IN nº 27/1998, IN nº 46/2004 e IN nº 52/2007, todas do TCU.

O TCU aprovou no dia 20 de junho a Instrução Normativa 81/2018, instituindo novo modelo de fiscalização dos processos de desestatização realizados pelo Poder Público, tornando revogadas as Instruções Normativas nos 27/1998, 46/2004 e 52/2007. A regra prevê o fim dos múltiplos estágios de acompanhamento dos processos de privatização de empresas estatais, de concessão e de permissão de serviço público, de contração de Parcerias Público-Privadas e de outorga de atividades econômicas reservadas ou monopolizadas pelo Estado.

O novo modelo determina que, para fins de planejamento das ações de controle, os órgãos gestores dos processos de desestatização enviem o extrato contendo as informações necessárias ao Tribunal com antecedência mínima de 150 dias da data prevista para a publicação do edital. Essas informações incluem descrição do objeto da licitação, previsão de investimentos, relevância, localização dos empreendimentos e cronograma do processo licitatório.

Comentário do professor Murilo Jacoby Fernandes: conforme avaliação do TCU, a experiência de fiscalização por estágios demonstrou que a análise em etapas passou a agregar cada vez menos valor aos referidos processos de desestatização. Por isso, a medida busca racionalizar a fiscalização a cargo do Tribunal, priorizando os pontos de maior relevância, materialidade, oportunidade e que apresentem maior risco para a regularidade e economicidade das desestatizações conduzidas pelo Poder Público. Assim, vale destacar que, por orientação constitucional, o controle externo da função administrativa a cargo do Poder Legislativo, exercido pelos Tribunais de Contas, é amplo, abrangendo os aspectos de legalidade, legitimidade, economicidade, oportunidade, finalidade e eficiência. Por isso, o TCU fiscaliza buscando melhorar a qualidade dos serviços públicos oferecidos à sociedade. O tribunal acompanhou o processo de desestatização e de regulação desde o início dos anos 90. Ainda, ao TCU compete acompanhar os processos de licitação e contratação das PPPs, bem como fiscalizar a execução dos contratos decorrentes das parcerias celebradas. O acompanhamento destes processos será concomitante e realizado mediante a análise dos documentos enviados.

Com informações do portal do TCU.

Últimas Notícias

Processo seletivo para Advogado Associado para Brasília/DF

17/10/2018
Para dar continuidade à excelência dos trabalhos em 2018, a Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados – JFR/AA abriu... Leia Mais

Não prestação de contas gera condenação mesmo com obras concluídas, decide TCU

16/10/2018
A não prestação de contas do dinheiro público é motivo para a responsabilização de gestor. Essa foi a decisão... Leia Mais

STJ estabelece termo inicial da correção monetária para ressarcimento

10/10/2018
por Alveni Lisboa A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça – STJ entendeu que a correção monetária para... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

NÃO RECEBEMOS CURRÍCULOS FORA DE PROCESSOS SELETIVOS.
TEM INTERESSE EM TRABALHAR CONOSCO?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem