TCU aponta que 86% dos salários das estatais são superiores aos do setor privado

Publicado em: 10/04/2019

Por Kamila Farias

De acordo com levantamento realizado pelo Tribunal de Contas da União – TCU, as empresas públicas não dependentes dos recursos do Tesouro Nacional pagam remunerações superiores às do setor privado para quase 86% dos seus funcionários. Na pesquisa, o Tribunal verificou as remunerações dos empregados e dirigentes das estatais e analisou a compatibilidade dos valores com os praticados no setor privado. O trabalho envolveu 104 empresas estatais, com mais de 459 mil empregados públicos e dispêndio total anual em salários de aproximadamente R$ 44 bilhões, em 2016. O relator do processo é o ministro Vital do Rêgo.

Apesar dessas empresas não se submeterem ao teto de remuneração fixado pela Constituição Federal, o TCU detectou 4.705 empregados recebendo acima do teto, o que representa uma despesa anual de mais de R$ 622 milhões. A auditoria utilizou padrões de comparação baseados na região do país, no setor econômico associado a cada empresa, no porte das empresas e na ocupação das pessoas. A análise foi feita sobre os postos de trabalho que possuíam ao menos cinco empregados na estatal e 10 empregados no mercado privado, comparando 376 ocupações.

Para o TCU, isso se deve à adoção antiga de uma política salarial fora da realidade do mercado, com reajustes que não só promoveram eventuais reposições de índices de inflação, mas que criaram escalonamentos de remuneração implementados pelo simples decurso de tempo. Outro problema encontrado foi a falta de transparência de informações de remunerações por parte das estatais, visto que apenas 20% delas divulgam remuneração de administradores e empregados. A legislação estabelece que as estatais que não atuam em regime de concorrência devem garantir a transparência desses dados.

Comentário do advogado Murilo Jacoby: limitar o valor das remunerações em estatais ocasiona sérios problemas de ordem prática, porque a remuneração é um fator preponderante para atingir níveis almejados de eficiência, de qualidade e retenção de talentos. A arcaica formatação jurídica do sistema remuneratório público, segmentada basicamente em vencimento básico, vantagens, gratificações, adicionais e outros, não permite a retribuição pecuniária por resultados, produtos ou metas, que poderia resolver a situação. A lógica remuneratória de permitir que empregados e dirigentes de estatais percebam valores superiores ao teto constitucional está atrelada à necessidade de possuírem atratividade para reter talentos indispensáveis à gestão dos negócios empresariais. Dessa forma, o mercado privado deveria se igualar a realidade das estatais, mas as empresas nem sempre têm condições de arcar com mais um custo, pois já pagam altos impostos.

Com informações do portal do TCU.

Últimas Notícias

Workshop sobre cobertura no TCU reúne jornalistas na JFR/AA

12/07/2019
O escritório Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados, em parceria com o Instituto Protege e a Torre Comunicação, promoveu... Leia Mais

Projeto de lei que permite demissão de servidor vai a Plenário no Senado

11/07/2019
A demissão por mau desempenho foi incluída na Constituição Federal pela Emenda nº 19, mas ainda aguarda a regulamentação. Leia Mais

Nova Lei de Licitações: como ficam as normas atuais sobre o tema?

10/07/2019
O processo licitatório público no Brasil é regido por diversas normas, o que, muitas vezes, dificulta o entendimento e... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

NÃO RECEBEMOS CURRÍCULOS FORA DE PROCESSOS SELETIVOS.
TEM INTERESSE EM TRABALHAR CONOSCO?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem

[recaptcha]