TCU entende que pregoeiro não pode ser responsabilizado por falha em edital

Publicado em: 10/05/2019

Por Kamila Farias

O Tribunal de Contas da União – TCU, por meio do Acórdão nº 3212/2019 – Primeira Câmara, entendeu que o pregoeiro não pode ser responsabilizado por irregularidade em edital de licitação, já que sua elaboração não se insere no rol de competências que lhe foram legalmente atribuídas. O fato em questão teve relatoria do ministro Benjamin Zymler.

Conforme o ministro, exigências para habilitação são itens inerentes à etapa de planejamento da contratação, razão pela qual irregularidades apuradas nessa fase não podem ser imputadas aos integrantes da comissão de licitação, designada para a fase de condução do certame. O caso concreto referia-se a um pregoeiro que foi multado em R$ 3 mil por “não observar as regras definidas pela legislação ao se omitir e não comunicar à autoridade superior a existência no edital de licitação de cláusulas restritivas e a ausência de orçamento detalhado ou pesquisa de preços que fundamentassem o valor estimado da contratação”.

Na análise do recurso, foi retirada a responsabilidade do pregoeiro e destacado pelo acórdão: “Não constitui incumbência obrigatória da CPL, do pregoeiro ou da autoridade superior realizar pesquisas de preços no mercado e em outros entes públicos, sendo essa atribuição, tendo em vista a complexidade dos diversos objetos licitados, dos setores ou pessoas competentes envolvidos na aquisição do objeto”.

Comentário do professor Jacoby Fernandes: o gestor, por mais competente e cumpridor do seu dever que seja, receia que alguma punição recaia sobre si. Alguns vão além das suas obrigações no intutito de zelar pelo erário público e acabam sendo repreendidos por tal atitude. Outros, preferem se omitir e não fazer, pois o custo da penalidade recebida pode ser alta e levar à completa desestruturação da sua vida particular. No caso do pregoeiro, um importante instrumento pode ser criado para garantir a atividade eficiente e adstrita à legalidade durante o pregão: um código de conduta. Além de ser uma garantia para a Administração Pública, o código de conduta servirá de guia para o pregoeiro na sua atividade diária, ajudando na tomada de decisão e na motivação dos seus atos. Com a produção do instrumento, a Administração Pública tem oportunidade de se aperfeiçoar e se operacionalizar com mais eficiência.

Com informações do portal Sollicita.

Últimas Notícias

TCU entende que pregoeiro não pode ser responsabilizado por falha em edital

10/05/2019
Conforme Benjamim Zymler, exigências para habilitação são itens inerentes à etapa de planejamento da contratação, razão pela qual irregularidades... Leia Mais

Governo inclui 59 projetos em programa de concessão

09/05/2019
A expectativa é arrecadar R$ 1,6 trilhão. A área que mais vai receber investimentos é a de óleo e... Leia Mais

Governo sanciona leis que alteram regras para consórcios públicos

07/05/2019
A primeira, Lei 13.821/2019, mudou os requisitos para a celebração de convênios entre a União e os consórcios públicos. Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

NÃO RECEBEMOS CURRÍCULOS FORA DE PROCESSOS SELETIVOS.
TEM INTERESSE EM TRABALHAR CONOSCO?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem

[recaptcha]