TCU limita prorrogações de contratos portuários anteriores ao Decreto de 2017

Publicado em: 04/07/2018

Por Kamila Farias

O Tribunal de Contas da União – TCU acompanhou os atos e procedimentos adotados pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil e pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários – Antaq decorrentes do Decreto nº 9.048/2017, que regulamentou a Lei dos Portos, e entendeu que os contratos portuários com 70 anos de vigência só serão possíveis se firmados posteriormente à assinatura de Decreto.

A Corte encontrou indícios de irregularidades relacionados com a possibilidade, prevista no decreto, de extensão de vigência do contrato, de realização de investimentos fora da área arrendada e de substituição de área pública arrendada sem licitação prévia. Assim, para os contratos assinados antes do Decreto, será admitida uma única prorrogação e pelo prazo original. Apenas os contratos firmados posteriormente poderão ter prazo de 35 anos, com possibilidade de renovação por mais 35.

O relator do processo no TCU, ministro Bruno Dantas, comentou que “o prazo de uma concessão ou arrendamento não é fixado aleatoriamente pela Administração, em juízo de discricionariedade, mas sim fruto de estudos técnicos, estimativas, expectativas, e visa à amortização do investimento. Deve ser, portanto, robustamente justificado”.

Comentário da advogada Cristiana Muraro: embora o Decreto tenha sido alvo de polêmicas recentes, vale destacar que o setor de portos merece atenção especial. Segundo a Secretaria de Portos da Presidência da República, 95% do volume das exportações brasileiras são realizadas por meio marítimo, o que denota a importância de estruturação jurídica para o crescimento do setor nacional. Cerca de 80% do Produto Interno Nacional encontram-se nas unidades da federação com acesso à costa marítima. Por isso, com a prévia fiscalização do TCU, o risco de insucesso no setor e nas licitações se mostra bastante reduzido. Assim, a função do TCU é avaliar os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental, a realização de pré-qualificação, análise das minutas dos editais de licitação e contratos, entre outras. Além disso, o órgão deve considerar, inclusive, as impugnações e devidas respostas. O TCU precisa também avaliar o julgamento e o encerramento dos certames, ao passo que o quarto e último passo cuida da fiscalização do ato de outorga e da assinatura do contrato.

Com informações do portal do TCU.

Últimas Notícias

Justiça condena Secretaria de Portos a indenizar empresa prestadora de serviço

22/02/2019
A ação foi movida pelo escritório Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados, representando a empresa Van Oord, a executora dos... Leia Mais

Processo seletivo para contratar técnico em informática para atuar em Brasília/DF

19/02/2019
A vaga é para atuar na sede do escritório, no Lago Sul. O interessado deve ter noções de helpdesk... Leia Mais

Atestado falso de ME/EEP configura fraude à licitação, afirma TCU

14/02/2019
por Alveni Lisboa A mera participação de licitante como microempresa ou empresa de pequeno porte, amparada por declaração com... Leia Mais

Nossos Contatos

Endereço do escritório

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20, Península dos Ministros - Lago Sul - Brasília/DF - CEP: 71.630-245

Só atendemos com hora marcada

Ligue e agende seu horário

+55 (61) 3366-1206

NÃO RECEBEMOS CURRÍCULOS FORA DE PROCESSOS SELETIVOS.
TEM INTERESSE EM TRABALHAR CONOSCO?

Siga-nos nas redes sociais para acompanhar eventuais vagas disponíveis:

Nome (obrigatório)

Email (obrigatório)

Mensagem

[recaptcha]